Certificados do Tesouro

Certificados do Tesouro

Certificados do Tesouro“No poupar é que está o ganho”, sempre se ouviu dizer e é uma máxima forçosamente cada vez mais presente no quotidiano dos portugueses. Com esta filosofia, no actual cenário de crise, é necessário, para além de liquidar as dívidas comuns do cidadão comum, colocar algum dinheiro de parte para o rentabilizar, com os olhos postos num amanhã melhor.
Umas das opções de poupança é investir em Certificados de Aforro. Outra das opções de poupança disponível – e mais rentável – é investir em Certificados do Tesouro.

Como surgiram os Certificados do Tesouro?

Os Certificados de Tesouro (CT) são uma aplicação de poupança de dívida pública destinada aos particulares, disponível para os aforradores portugueses. Este instrumento de poupança foi comercializado, pela primeira vez, a 1 de julho de 2010. O Estado publicou no “Diário da República” as regras das novas obrigações que são vendidas aos particulares.

Que vantagens têm estes Certificados do Tesouro?

Reúnem em si dois produtos da dívida portuguesa: a liquidez dos Certificados de Aforro (embora menor) e o rendimento das Obrigações do Tesouro.

Com que objectivo foi criado o Certificado do Tesouro?

Fundamentalmente, o Certificado do Tesouro é um instrumento que democratiza o acesso dos cidadãos à dívida pública portuguesa, criado com o objectivo de promover a poupança de longo prazo, dinamizando o mercado de dívida pública através da “democratização” do acesso a produtos equivalentes às Obrigações do Tesouro e Bilhetes do Tesouro.

Como são constituídos?

São, pois, produtos da dívida equivalentes às Obrigações e aos Bilhetes do Tesouro nacionais que podem ser adquiridos por particulares.

Que montantes se podem investir nos Certificados do Tesouro? Onde se podem adquirir?

  • O montante mínimo da subscrição é de mil euros e o montante máximo é de um milhão de euros por aforrador. (Cada pessoa singular apenas pode ser titular de uma conta de aforro, podendo o seu resgate ser efectuado apenas por si próprio ou pelos seus herdeiros).
  • Ambos os Certificados são vendidos nas estações dos CTT.

Que montantes se podem investir nos Certificados de Aforro? Quais são as principais diferenças para com os Certificados do Tesouro?

  • O montante mínimo para este tipo de Certificado é de cem euros;
  • São um investimento de longo prazo;
  • Rentabilizam menos o dinheiro investido, pois oferecem juros mais baixos que os Certificados do Tesouro: os Certificados do Tesouro podem render o triplo dos Certificados de Aforro.

Durante quanto tempo se podem deter estes Certificados do Tesouro?

À semelhança dos Certificados de Aforro, pode-se deter os Certificados do Tesouro por um período máximo de 10 anos. Contudo, há que ter em especial atenção:
  • Para períodos de permanência inferiores a 5 anos, a remuneração tem por base os juros dos Bilhetes do Tesouro ou a Euribor a 12 meses;
  • Para períodos iguais ou superiores a 5 anos, o retorno tem por base os juros das Obrigações do Tesouro a 5 e 10 anos.

Conclusão

Os Certificados do Tesouro são, após análise, evidentemente, mais lucrativos se a sua aplicação for feita por um prazo até 5 anos ou mais. Podem ser mesmo muito mais atractivos do que os Certificados de Aforro.

Por quanto tempo são emitidos os Certificados do Tesouro? Quando são amortizados?

  • Os Certificados do Tesouro são emitidos por prazos de 10 anos.
  • São amortizados na respectiva data de vencimento ou antecipadamente, com o valor nominal de um euro e com o mínimo da subscrição de mil euros.

Qual é o melhor investimento: Certificado de Aforro ou Certificado do Tesouro?

  • Os certificados do Tesouro são um melhor investimento do que os tradicionais Certificados de Aforro.

Qual é a taxa de juro em vigor para os Certificados do Tesouro?

Convém dizer que os Certificados do Tesouro têm uma taxa de juro variável. Apenas quando adquiridos, é que é sempre estabelecida a sua taxa de juro. Aliás, a taxa de juro do momento da sua subscrição é a única aplicada nos 10 anos seguintes.
É de toda a conveniência, pois, procurar um mês em que a taxa de juro seja elevada, óptima para investir, para subscrever vantajosamente os valiosos Certificados do Tesouro, que serão o fruto da nossa poupança.

Que riscos tem ao investir nos Certificados?

Este é um investimento com capital garantido, sem risco.
Portugal necessita de aumentar a poupança interna. Esta poderá ser uma boa maneira de o fazer. No passado recente, os portugueses pouparam pouco: fiaram-se na economia, inesgotável e fluída como as águas correntes de um rio. Todavia, as notícias levadas a lume sobre o estado caótico e de penúria da nossa economia, levaram-nos a visualizar o cenário negro da recessão.
A ter em consideração: a maior parte da dívida do Estado português está na mão de estrangeiros…
Gostou do nosso artigo? Partilhe sff

LER TAMBÉM  Cartões de crédito perfumados
2

Sem comentários

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.