A política islandesa e a crise

islândiaDesce que começou a actual crise, com os Estados Unidos e a Europa a resgatarem bancos atrás de bancos, que se tem lido e escutado muita coisa sobre a opção tomada pela Islândia.

Este país, muito longe de enfrentar uma crise como da Grécia, optou por não pagar as suas dividas, seguindo o seu próprio caminho e agora já conseguiu reduzir o seu deficit e está mesmo numa fase de crescimento económico. Vamos ver como foi isso possível.

Quando a crise de crédito atingiu os mercados, os três principais bancos da Islândia ficaram subitamente privados do crédito, uma situação semelhante à que provocaria o resgate da Irlanda, no entanto, a opção tomada foi diferente.

O governo islandês nacionalizou a banca, recusou financiar o resgate dos seus bancos e optou por proteger apenas as poupanças dos seus cidadãos. Os investidores estrangeiros tiveram de suportar as perdas. As taxas de juro subiram acima dos 15%, a inflação subiu aos 12% e a própria economia contraiu 7%. Mas desde então, o país protagonizou um duro processo de reajuste, tendo inclusive conseguido crescer, encerrando mesmo o passado ano com uma melhoria do seu PIB em 3%.

Mas será que os outros países europeus poderiam fazer o mesmo? Em teoria sim, mas existem diferenças: Em primeiro lugar o governo islandês não resgatou os seus bancos, como também nunca o poderia ter feito por não ter capacidade económica para o fazer. Em segundo lugar a Islândia tem moeda própria (que sofreu uma forte desvalorização). Ainda assim, a Islândia recebeu um empréstimo do FMI, pois as suas decisões, em caso algum colocariam em perigo o sector financeiro mundial, uma vez que por ser um pais pequeno não necessitava de muito dinheiro. Basicamente o que aconteceu foi que a Islândia salvou-se à custa dos dividendos anuais de alguns bancos ingleses e holandeses e dos seus accionistas.

LER TAMBÉM  O que fazer quando se tem mais despesas do que rendimentos

Leave a Reply

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close