Como financiar o nosso sistema de pensões?

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

sistema de pensõesMuitos de nós questionam-se sobre a principal causa para o défice do sistema de pensões. Provavelmente a maioria responderá que a causa fundamental são as alterações demográficas (envelhecimento da população e menos nascimentos). Mas por outro lado, também estaremos de acordo que esta não é a única causa para a falta de viabilidades do actual sistema de pensões. Certamente que todos estamos de acordo ao dizer que era previsível a esperança de vida aumentar e que isso viria a afectar negativamente a viabilidade do sistema de pensões.

Que outras razões tornam inviável o actual sistema de pensões?

A razão fundamental é que o nosso mercado laboral está cada vez mais precário: menos emprego, mais emprego temporário, emprego a tempo parcial e principalmente empregos cada vez mais mal pagos até para trabalhadores altamente qualificados. E tudo isso faz com que haja cada vez menos contribuições para o sistema de pensões.

Mas será que temos de nos conformar com o mercado laboral actual? É um problema estrutural?

Há outros factores que contribuem para o actual do mercado laboral?

Penso que sim e vou enumerar três factores:

  1. As reformas do código de trabalho têm vindo a contribuir para uma maior precariedade do mercado laboral e para uma maior desigualdade social.
  2. As mudanças tecnológicas costumam ser consideradas como algo bom, mas quando essas alterações são bruscas e não são criados tantos empregos como os que são destruídos, quem beneficia desta situação é apenas o empregador. Muitas vezes não saem beneficiados nem os trabalhadores qualificados, nem os consumidores.
  3. A globalização da economia ou comércio livre a nível mundial: este facto faz com que as multinacionais sejam cada vez maiores e tenham mais poder sobre os trabalhadores e consumidores.
LER TAMBÉM  Os suíços querem o seu ouro de volta

Chegados aqui há que perguntar até que ponto se deve deixar crescer uma multinacional. E não há nenhuma autoridade da concorrência que saiba responder claramente a esta questão.

E até que ponto os políticos e as instituições internacionais incentivam a concorrência?

Com todo este cocktail e apesar da Universidade Católica esperar um crescimento da economia nacional na ordem dos 2,7% para este ano, podemos deduzir que a causa final que torna menos viável o sistema de pensões é a actual desigualdade social.

sistema nacional de pensões

Os portugueses saem da crise com os salários mais baixos

Agora digam-me como vamos equilibrar o sistema de pensões se não conseguimos ter mais empregos (e mais bem pagos). Não haverá outro remédio senão ser o Estado a tapar o buraco, quer seja através de transferências, quer aumentando todos os anos a idade da reforma e diminuindo os valores a pagar aos “novos” reformados.

Agora a pergunta é: Quando é que o sistema poderá voltar a ter um saldo positivo?

Lembremo-nos que o Estado tem uma divida pública na ordem dos 130% do PIB (apenas atrás da Grécia e da Itália) e não irá continuar a financiar-se para sempre a juros irrisórios como actualmente.

Mas porque é que ninguém liga aos avisos?

Conseguem imaginar uma nova crise económica com a política monetária actual?

O Estado e a banca estão a ser sustentados actualmente pelo BCE. E se no dia de hoje o Estado tivesse que sustentar o sistema de pensões, imagine-se o que aconteceria se cada Estado pagasse realmente os juros que um mercado livre de capitais iria exigir.

Até agora a única medida tomada foi reduzir os direitos dos pensionistas.

Que medidas acha que deveriam ser tomadas para melhorar a sustentabilidade do sistema nacional de pensões?

LER TAMBÉM  Exemplos de cartas de demissão de emprego

Deixe o seu comentário

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close