adam smith

Quem era Adam Smith e qual o seu pensamento económico?

Adam Smith foi um filósofo do século XVIII, conhecido como o pai da economia moderna e como o maior defensor da política económica do laissez-faire.
No seu primeiro livro “The Theory of Moral Sentiments”, Smith propõe a ideia de uma mão invisível – a tendência dos mercados livres para se regularem a si próprios através da concorrência, da oferta e da procura, e do interesse egoísta.
Smith é também conhecido pela sua teoria de compensação por empregos diferenciados, o que significa que empregos perigosos ou indesejáveis tendem a ter salários mais elevados para atrair trabalhadores para estes cargos. Mas Smith é mais famoso pelo seu livro de 1776, “Uma Investigação Sobre a Natureza e Causa da Riqueza das Nações”.
adam smith

Os primeiros anos

A vida registada de Adam Smith começa em 5 de junho de 1723, quando é batizado na Escócia; contudo, a sua data exata de nascimento não está documentada.

Educação de Adam Smith

Smith entrou na Universidade de Glasgow quando tinha 14 anos e estudou filosofia moral com Francis Hutcheson. Aqui, Smith desenvolveu a sua paixão pela liberdade, razão, e liberdade de expressão. Em 1740, Smith foi o académico de pós-graduação apresentado para estudos de pós-graduação no Balliol College, Oxford, no âmbito da Exposição Snell.
Smith considerava o ensino em Glasgow muito superior ao de Oxford, o qual ele achava intelectualmente sufocante. No Livro V, Capítulo II de “A Riqueza das Nações”, Smith escreveu: “Na Universidade de Oxford, a maioria dos professores públicos desistiram, durante estes muitos anos, até mesmo da pretensão de ensinar”.
Smith queixou-se também a amigos que os funcionários de Oxford o descobriram uma vez a ler um exemplar do Tratado da Natureza Humana de David Hume, e subsequentemente confiscaram o livro e castigaram-no severamente por o ter lido.
De acordo com William Robert Scott, “o tempo de Oxford deu pouca ou nenhuma ajuda ao que viria a ser o seu trabalho vital”.
Contudo, Smith aproveitou a oportunidade enquanto esteve em Oxford para aprender sobre vários assuntos lendo muitos livros das prateleiras da grande Biblioteca Bodleian.
Quando Smith não estudava sozinho, o seu tempo em Oxford não era um tempo feliz, segundo as suas cartas.
Perto do fim do tempo que ali passou, Smith começou a sofrer de tremores, provavelmente sintomas de um colapso nervoso.
Deixou a Universidade de Oxford em 1746, antes do fim da sua bolsa de estudo.
No Livro V de “A Riqueza das Nações”, Smith comenta a má qualidade do ensino e da atividade intelectual nas universidades inglesas em comparação com as suas congéneres escocesas. Atribui isto tanto aos ricos dotes das universidades de Oxford e Cambridge, que tornaram os rendimentos dos professores independentes da sua capacidade de atrair estudantes, como ao facto de distintos homens de letras poderem ter uma vida ainda mais confortável como ministros da Igreja de Inglaterra.
O descontentamento de Smith em Oxford pode dever-se em parte à ausência do seu amado professor em Glasgow, Francis Hutcheson, sendo considerado um dos professores mais distintos da Universidade de Glasgow na sua época e ganho a aprovação de estudantes, colegas e até de residentes comuns com o fervor e a seriedade das suas orações (que abriu por vezes ao público).
As palestras de Hutcheson tentaram não só ensinar filosofia, mas também fazer com que os seus alunos encarnassem essa filosofia nas suas vidas, adquirindo apropriadamente o epíteto de pregador de filosofia.
Ao contrário de Smith, Hutcheson não foi um construtor de sistemas; pelo contrário, a sua personalidade magnética e método de ensino influenciaram os seus estudantes e fizeram com que o maior deles se referisse a ele com reverência como “o Hutcheson que nunca será esquecido”, um título que Smith em toda a sua correspondência usava para descrever apenas duas pessoas, o seu bom amigo David Hume e o influente mentor Francis Hutcheson.
Após regressar da conclusão dos seus estudos em Oxford, Smith embarcou numa série de palestras públicas em Edimburgo.
O sucesso das suas palestras trouxe-lhe o reconhecimento dos professores da sua alma mater.
Começou com palestras de lógica, mas mais tarde ensinou filosofia moral na Universidade. Todos estes anos de ensino e tutoria terminaram com a publicação de algumas das suas palestras no seu livro de 1759, “The Theory of Moral Sentiments”.
As bases do seu trabalho foram lançadas durante esse ano, resultantes das suas interações com figuras notáveis associadas a múltiplos campos. Por exemplo, ele era amigo de James Watt, o inventor da máquina a vapor, bem como do filósofo David Hume.
Smith mudou-se para França em 1763 porque lhe foi oferecida uma melhor remuneração como tutor do enteado de Charles Townshend, um economista amador e futuro diretor do Tesouro. Foi durante este tempo em França que Smith escreveu “An Inquiry into the Nature and Causes of the Wealth of Nations”, o que acabaria por lhe dar um lugar na história.

A Teoria dos Sentimentos Morais

Smith é mais famoso pela sua obra “A Riqueza das Nações” de 1776, mas o seu primeiro e maior tratado foi “A Teoria dos Sentimentos Morais”, publicado em 1759, e onde muitas das suas ideias que ainda hoje são postas em prática são expostas.
Alguns poderão ficar surpresos ao saber que no seu livro, Smith, que também é conhecido por ser “O Pai do Capitalismo”, discute extensivamente a caridade e a ética humanas.
Enquanto grande parte da sua filosofia se baseia no interesse egoísta para o máximo lucro, “A Teoria dos Sentimentos Morais” foi um tratado sobre como a condição humana está enraizada em sentimentos de simpatia pelos outros.
O livro explora extensivamente ideias como a moralidade humana e a simpatia.
No livro, Smith argumenta que as pessoas são egoístas, mas que as pessoas sentem naturalmente prazer em ajudar os outros.
Ele introduziu o conceito do “Homem Interior” e do “Espetador Imparcial”, responsável por orientar a ação humana. Ambos ajudam a conciliar a paixão com a razão, que são a base dos sistemas económicos e fornecem a base para a criação de instituições na sociedade humana.
O livro também inclui elementos de psicologia social com o nosso instinto de preservação. Isto é expresso através de um sentido de justiça e moralidade partilhada. Um excesso de emoção pode revelar-se prejudicial para ambos; por conseguinte, o instinto humano reduz as emoções à sua forma socialmente mais aceitável.
Um “Espetador Imparcial” está na nossa mente quando interagimos com outros. Como seres humanos, temos uma afinidade semelhante para com a justiça porque ela promove a preservação e a propagação da sociedade.
Embora isto possa ser contrário à sua visão do trabalho individual para aumentar a riqueza pessoal sem consideração pelo bem comum, a ideia de uma mão invisível ajudando a todos através do trabalho de indivíduos egocêntricos compensa esta aparente contradição.

A Riqueza das Nações

O trabalho de Smith de 1776 “An Inquiry into the Nature and Cause of the Wealth of Nations” também abreviou para “The Wealth of Nations” (A Riqueza das Nações) apareceu logo no alvorecer da Revolução Industrial na Europa. Enquanto os críticos salientam que Smith não inventou muitas das ideias sobre as quais escreveu, ele foi a primeira pessoa a compilar estas ideias e a publicá-las num formato concebido para as explicar ao leitor médio do seu tempo. Como resultado, é responsável por popularizar muitas das ideias que apontam para a escola de pensamento que veio a ser conhecida como economia clássica.
Outros economistas construíram as suas idéias com base no trabalho de Smith para solidificar ainda mais as teorias da economia clássica, que se tornou a escola económica dominante do Ocidente até ao início da Grande Depressão dos anos 30.
No seu livro, Smith discutiu as fases de evolução da sociedade, desde a era dos caçadores sem direitos de propriedade ou residência fixa até à agricultura nómada, com a mudança das residências. A sociedade feudal é a próxima etapa. Nesta fase, são estabelecidas leis, e direitos de propriedade para proteger as classes privilegiadas. O livre-trânsito ou a economia de mercado livre que caracteriza a sociedade moderna é o próximo, em que novas instituições são estabelecidas para realizar transações de mercado.
A filosofia do salvo-conduto, como a minimização do papel do governo na intervenção e tributação dos mercados livres, e a ideia de que “uma mão invisível” guia a oferta e a procura são entre outras ideias que Smith foi responsável por escrever sobre e promover. Estas ideias refletem-se no conceito de que cada pessoa, ao cuidar de si própria e produzir para si própria, ajuda inadvertidamente a criar o melhor resultado para todos.
“Não é pela benevolência do talho, do cervejeiro ou do padeiro que podemos esperar ter a nossa comida, mas, porque cada uma destas pessoas olha pelo seu próprio interesse” Adam Smith
Ao vender produtos a pessoas que os querem comprar, o talhante, o cervejeiro e o padeiro esperam ganhar dinheiro. Se forem eficazes na satisfação das necessidades dos seus clientes, desfrutarão de uma recompensa financeira. Enquanto se dedicam às suas próprias empresas com o objetivo de ganhar dinheiro, estão também a fornecer às pessoas o que desejam. Tal sistema, argumentou Smith, cria riqueza, não apenas para o talho, o cervejeiro ou o padeiro, mas para a nação como um todo quando uma nação é povoada por pessoas que trabalham produtivamente para melhorar as suas próprias condições e satisfazer as suas próprias necessidades financeiras.
Do mesmo modo, Smith observou que um homem pode investir a sua riqueza na empresa que é suscetível de o ajudar a gerar a maior quantidade de retorno para um determinado nível de risco. Atualmente, a teoria da mão invisível é frequentemente apresentada como um fenómeno natural que orienta o mercado livre e o capitalismo no sentido da eficiência, através da oferta e da procura e da competição por recursos escassos, e não como algo que resulta no bem-estar dos indivíduos.
“A Riqueza das Nações” é uma obra maciça que consiste em dois volumes divididos em cinco livros. Difere da “Teoria dos Sentimentos Morais” num aspeto importante. Ao lado do “homem interior” que deveria controlar e regular as paixões humanas, havia uma estrutura institucional que orientava os seres humanos para a busca de benefícios produtivos para a sociedade. O fator central nesta estrutura é a competição, que Smith definiu como um “desejo que vem connosco desde o ventre, e nunca nos deixa, até irmos para a sepultura”. Esta estrutura consiste em instituições tais como um sistema de justiça para promover a concorrência justa e livre.
As ideias promovidas pelo seu livro geraram atenção internacional e ajudaram a mover a sociedade de um sistema baseado na produção baseada na terra para um sistema baseado em linhas de montagem impulsionado pela divisão do trabalho. Um exemplo citado por Smith foi a mão de obra necessária para produzir um alfinete. Um homem precisava de 18 passos para fazer alguns por semana, mas se essa tarefa fosse distribuída por uma linha de montagem de 10 homens, a produção poderia saltar para milhares por semana.
Para resumir; Adam Smith argumenta que a divisão do trabalho e a especialização produzem prosperidade. “É pela grande multiplicação das produções de todos os tipos de artes, consequentemente a divisão do trabalho, por vezes, numa sociedade bem governada, que se produz opulência e riqueza estendendo-se às camadas mais baixas da sociedade”, escreveu Smith em “A Riqueza das Nações”.

Adam Smith cria o conceito de PIB

Finalmente, através das ideias apresentadas em “A Riqueza das Nações”, Adam Smith mudou o negócio das exportações e importações, criando o conceito que conhecemos hoje como Produto Interno Bruto (PIB), e defendeu a livre troca de bens e serviços.
Antes de “A Riqueza das Nações” ser publicada, os países mediam a sua riqueza com base no valor do ouro e da prata que tinham. No entanto, o trabalho de Smith foi altamente crítico do mercantilismo; argumentou que em vez de países medirem a sua riqueza pelo seu ouro e prata, deveriam medir a sua riqueza com base nos seus níveis de produção e comércio. Este sentimento criou a base para medir a prosperidade das nações com base no indicador conhecido como PIB.
Antes do livro de Smith, os países tinham medo de negociar com outros, a menos que vissem benefícios diretos. Contudo, Smith argumentou que o comércio livre deveria ser posto em prática, dado que ambas as partes beneficiaram do comércio. Isto levou a um aumento das exportações e importações, e os países começaram a medir o seu valor em conformidade. Smith também defendeu um governo limitado e uma legislação que fosse favorável ao comércio livre e aberto. Queria um governo com as suas mãos fora do mercado. Contudo, Smith acreditava que o governo era essencial para alguns sectores tais como a educação e a defesa.

Legado

“A Riqueza das Nações” foi um precursor da disciplina académica moderna da economia. Nesta e noutras obras, Smith expôs como o interesse próprio racional e a competição podem conduzir à prosperidade económica. Smith foi controverso no seu tempo e a sua abordagem geral e estilo de escrita foram frequentemente satirizados por escritores conservadores na tradição moralizadora de Hogarth and Swift, como sugere uma discussão na Universidade de Winchester.
Em 2005, “The Wealth of Nations” foi nomeado entre os 100 melhores livros escoceses de todos os tempos.
À luz dos argumentos apresentados por Smith e outros teóricos económicos na Grã-Bretanha, a crença académica no mercantilismo começou a declinar na Grã-Bretanha no final do século XVIII.
Durante a Revolução Industrial, a Grã-Bretanha adotou o livre comércio e a economia do laissez-faire de Smith, e através do Império Britânico, utilizou o seu poder para difundir um modelo económico amplamente liberal em todo o mundo, caracterizado por mercados abertos e comércio doméstico e internacional relativamente livre de barreiras.
George Stigler credita Smith com “a proposta substantiva mais importante em toda a economia”. É que, sob concorrência, os proprietários dos recursos (por exemplo, mão de obra, terra e capital) os utilizarão de forma mais rentável, resultando numa taxa de rendimento igual em equilíbrio para todas as utilizações, ajustada às diferenças aparentes resultantes de fatores como a perícia, a confiança, as dificuldades e o desemprego.
Paul Samuelson encontra no uso pluralista de Smith da oferta e da procura, tal como aplicado aos salários, rendas e lucros, uma antecipação válida e valiosa do modelo de equilíbrio geral de Walras um século mais tarde. O subsídio de Smith para aumentos salariais a curto e médio prazo de acumulação de capital e invenção contrastou com Thomas Malthus, David Ricardo e Karl Marx na sua proposta de uma rígida teoria do salário de subsistência da oferta de trabalho.
Joseph Schumpeter criticou Smith por falta de rigor técnico, mas argumentou que isto permitia que os escritos de Smith apelassem a um público mais vasto: “A sua própria limitação fez o sucesso. Se tivesse sido mais brilhante, não teria sido levado tão a sério. Cavou mais fundo, se tivesse desenterrado uma verdade mais recôndita, se tivesse usado métodos mais difíceis e engenhosos, não teria sido compreendido. Mas ele não tinha tais ambições; na realidade, não gostava de nada para além do senso comum. Nunca se moveu acima do senso comum. Mesmo à cabeça dos leitores mais enfadonhos, ele guiou-os gentilmente, encorajando-os com trivialidades e observações caseiras, fazendo-os sentir-se sempre confortáveis.
Os economistas clássicos apresentaram teorias concorrentes com as de Smith, chamadas “teoria do valor do trabalho”.
Mais tarde, a economia marxista descendente da economia clássica também utilizou, em parte, as teorias trabalhistas de Smith. O primeiro volume da grande obra de Karl Marx, Das Kapital, foi publicado em alemão em 1867. Nele, Marx concentrou-se na teoria do valor do trabalho e no que considerava a exploração do trabalho pelo capital. A teoria do valor do trabalho sustentava que o valor de uma coisa era determinado pelo trabalho que entrava na sua produção. Isto contrasta com a afirmação moderna da economia neoclássica, de que o valor de uma coisa é determinado por aquilo de que se está disposto a abdicar para a obter.
O corpo de teoria mais tarde chamado “economia neoclássica” ou “marginalismo” formou-se entre 1870 e 1910. O termo “economia” foi popularizado por economistas neoclássicos como Alfred Marshall como um sinónimo conciso de “ciência económica” e um substituto para o termo anterior, mais amplo, “economia política” utilizado por Smith. Isto correspondeu à influência sobre o tema dos métodos matemáticos utilizados nas ciências naturais.
A economia neoclássica sistematizou a oferta e a procura como determinantes conjuntos do preço e da quantidade no equilíbrio do mercado, afetando tanto a afetação da produção como a distribuição do rendimento. Dispensou a teoria do valor do trabalho com que Smith foi identificado e que foi utilizada na economia clássica, em favor de uma teoria do valor marginal da utilidade do lado da procura e uma teoria mais geral dos custos do lado da oferta.
Dois Séculos após “A Riqueza das Nações”
O bicentenário da publicação de “A Riqueza das Nações” foi celebrado em 1976, o que gerou um interesse crescente na “Teoria dos Sentimentos Morais” e nas suas outras obras em toda a academia.
Após 1976, Smith estava mais provavelmente representado como o autor de “A Riqueza das Nações” e a “Teoria dos Sentimentos Morais”, portanto, como o fundador de uma filosofia moral e da ciência da economia.
O seu homo economicus ou “homem económico” foi também mais frequentemente retratado como uma pessoa moral.
Além disso, os economistas David Levy e Sandra Peart em “The Secret History of the Dismal Science” apontam a sua oposição à hierarquia e às crenças na desigualdade, incluindo a desigualdade racial, e dão apoio adicional àqueles que apontam a oposição de Smith à escravatura, ao colonialismo, e ao império. Mostram caricaturas de Smith desenhadas por opositores de pontos de vista sobre hierarquia e desigualdade. Também são enfatizadas as declarações de Smith sobre a necessidade de salários elevados para os pobres e os esforços para manter os salários baixos.
Em “The Philosopher’s Vanity: From Equality to Hierarchy in Postclassical Economics”, Peart e Levy também citam a opinião de Smith de que um porteiro comum não era intelectualmente inferior a um filósofo, e apontam para a necessidade de uma maior apreciação das opiniões públicas nas discussões sobre ciência e outros tópicos agora considerados técnicos.
Levy e Peart também citam a oposição de Smith à opinião frequentemente expressa de que a ciência é superior ao senso comum.

As opiniões religiosas de Adam Smith

Tem havido um debate académico considerável sobre as opiniões religiosas de Smith. O pai de Smith demonstrara um grande interesse no cristianismo e pertencia à ala moderada da Igreja da Escócia. O facto de Adam Smith ter recebido a Exposição Snell sugere que ele pode ter ido para Oxford com a intenção de seguir uma carreira na Igreja de Inglaterra.
O economista anglo-americano Ronald Coase desafiou a opinião de que Smith era um deísta, com base no facto de os escritos de Smith nunca invocarem explicitamente Deus como uma explicação para as harmonias do mundo natural ou humano.
De acordo com Coase, apesar de Smith por vezes se referir ao “Grande Arquiteto do Universo”, mais tarde estudiosos como Jacob Viner “exageraram muito a medida em que Adam Smith se comprometera a acreditar num Deus pessoal”, uma crença para a qual Coase encontra poucas provas em passagens como a de “The Wealth of Nations”, na qual Smith escreve que a curiosidade da humanidade sobre os “grandes fenómenos da natureza”. Como “a geração, vida, crescimento e dissolução de plantas e animais”, levou os homens a “investigar as suas causas”, e que “a superstição procurou primeiro satisfazer esta curiosidade, referindo estas aparências maravilhosas à agência imediata dos deuses. A filosofia procurou então explicá-los, a partir de causas mais familiares, ou de pessoas como elas conheciam melhor do que a agência dos deuses”. (Ver: Coase, R.H. (Outubro de 1976). “Adam Smith’s View of Man”. O Journal of Law and Economics. )
Alguns outros autores argumentam que a filosofia social e económica de Smith é inerentemente teológica e que todo o seu modelo de ordem social depende logicamente da noção da ação de Deus na natureza.
Smith era também um grande amigo de David Hume, que se caracterizava normalmente no seu próprio tempo como ateu. A publicação em 1777 da carta de Smith a William Strahan, em que ele descrevia a coragem de Hume perante a morte, apesar da sua irreligiosidade, atraiu uma considerável controvérsia.

Adam Smith como um símbolo da Economia de Mercado Livre

Smith tem sido celebrado por defensores das políticas de mercado livre como o fundador da economia de mercado livre, uma visão refletida na nomeação de entidades como o Instituto Adam Smith em Londres, múltiplas entidades conhecidas como a “Sociedade Adam Smith”, incluindo uma organização histórica italiana, e a Sociedade Adam Smith com sede nos Estados Unidos, e o Clube Adam Smith australiano.
Alan Greenspan argumenta que enquanto Smith não cunhou o termo laissez-faire, “coube a Adam Smith identificar o conjunto mais geral de princípios que trouxeram clareza conceptual ao aparente caos das transações de mercado”. Greenspan observa que “A Riqueza das Nações” foi “uma das grandes conquistas da história intelectual humana”. P.J. O’Rourke descreve Smith como o “fundador da economia de mercado livre”.
Outros escritores argumentam que o apoio de Smith ao laissez-faire tem sido exagerado.
Herbert Stein escreveu que as pessoas que “usam uma gravata Adam Smith” o fazem para “fazer uma declaração da sua devoção à ideia de mercados livres e governo limitado”, e que isto representa mal as ideias de Smith.
Stein escreve que Smith “não era puro nem doutrinário sobre esta ideia. Ele via a intervenção governamental no mercado com grande ceticismo… ele estava, contudo, preparado para aceitar ou propor qualificações para essa política em casos específicos em que ele julgasse que o seu efeito líquido seria benéfico e não iria minar o carácter basicamente livre do sistema”.
Ao ler “The Wealth of Nations”, Herbert Stein argumenta que este texto poderia justificar a Food and Drug Administration, a Consumer Product Safety Commission, benefícios obrigatórios para a saúde do empregador, ambientalismo, e “impostos discriminatórios para dissuadir comportamentos impróprios ou luxuosos”.
Do mesmo modo, Vivienne Brown declarou no The Economic Journal que, na América do século XX, apoiantes da Reaganomics, do Wall Street Journal e de outras fontes semelhantes espalharam uma visão parcial e enganadora de Smith ao público, retratando-o como um “defensor dogmático do capitalismo do laissez-faire e da economia do lado da oferta”. De facto, “The Wealth of Nations” inclui a seguinte declaração sobre tributação:
“Os sujeitos de cada Estado devem contribuir para o apoio do governo, na medida do possível, na proporção das suas respetivas capacidades; ou seja, na proporção do rendimento de que gozam respetivamente sob a proteção do Estado”.

Conclusões

As ideias de Smith tornaram-se os fundamentos da escola clássica de economia e deram-lhe um lugar na história como o pai da economia.
Os conceitos que Smith introduziu tais como a mão invisível, divisão do trabalho, são agora a espinha dorsal das teorias económicas.
Adam Smith morreu a 19 de Julho de 1790 com a idade de 67 anos, mas as ideias que promoveu vivem sob a forma de instituições de investigação económica contemporânea como o Instituto Adam Smith. Em 2007, o Banco de Inglaterra colocou a sua imagem na nota de 20 libras esterlinas.
Com informação de investopedia.
LER TAMBÉM  A política islandesa e a crise
5

Sem comentários

Deixe o seu comentário