dívida má

Sabe qual é a diferença entre uma dívida boa e uma dívida má?

Se o filme “Louca por compras” nos ensinou alguma coisa, é que não só não devemos abusar dos cartões de crédito, do financiamento das lojas numa base recorrente ou do crédito em geral, como também que nem sempre é boa ideia escolher longos prazos de financiamento para todos os produtos ou serviços.
Isto pode ser definido como dívida boa e dívida má. O que queremos dizer sobre isto? Vamos ver neste artigo.
dívida má

O que entendemos por “dívida boa”?

Embora existam vários tipos de dívidas de cobrança duvidosa, neste artigo queremos concentrar-nos num tipo específico de dívida, que seria aquela que adquirimos por um período de tempo mais longo do que a vida útil do produto que financiámos. O que significa isto? Vamos desenvolvê-la num determinado contexto:
Suponha que o seu telemóvel tenha decidido parar de funcionar e não tenha outra escolha senão mudar de telemóvel. Acontece que o novo Samsung ou o novo iPhone foi lançado e você está a morrer para conseguir um dos dois. No entanto, não pode pagar tudo de uma só vez, porque tem de pagar o aluguer ou a prestação da casa, as suas compras e as contas normais do mês. Em suma, pagar o montante total de uma só vez não lhe convém. Assim, opta por financiá-lo, seja com a loja em questão, com o seu banco ou com o seu cartão de crédito. Até agora não há problema, contrair este tipo de dívida não é mau, mas pode ser se não se escolher o período certo. Porquê?
Imaginemos que o financiamento escolhido ou concedido tem a duração de 3 anos. É do conhecimento geral que um telemóvel raramente dura tanto tempo. A média é 2 anos. Se escolher um período de 3 anos e o seu telefone se avariar mais cedo, se o perder ou for mesmo roubado, estará a pagar por algo que já não pode utilizar. Isso seria uma dívida má.
LEMBRE-SE de que esta não é a única definição de crédito malparado. Outra definição que podemos usar para definir o mau endividamento é o endividamento em que incorremos por algo que não podemos pagar ou de que não precisamos realmente, ou mesmo o resultado de sobre-endividamento.
dívida boa

Então, o que seria uma “dívida boa”?

Pelo contrário, uma dívida boa é uma dívida que não excede a vida útil de um produto. Vamos colocar isto noutro contexto:
Quer ou precisa de substituir o seu computador. Ao contrário de outros tipos de tecnologia, os computadores tendem a durar mais do que os telemóveis (digo-vos, tenho o mesmo computador portátil há 11 anos e, no entanto, tive entre 4 e 5 telemóveis desde então). Se, por exemplo, decidir comprar um portátil de cerca de 600 euros e optar por um financiamento de um ou dois anos e este tiver uma vida útil de cinco ou mais anos, terá usufruído de um produto que terá acabado de pagar há muito tempo. Assim, isso seria uma boa dívida.
LEMBRE-SE que outra definição de dívida boa é aquela que adquirimos para algo que nos trará um benefício, por exemplo, financiar um carro ou um computador que utilizaremos para o trabalho e que, portanto, nos permitirá gerar rendimentos.
liberdade financeira

6 conselhos para evitar contrair dívidas más

Se não quiser acabar com tantas dívidas más como Becky Bloom, a protagonista do filme que referimos no início deste artigo, especialmente hoje em dia, quando tem ofertas de financiamento na ponta dos dedos em todo o lado, recomendamos que tenha em conta estes conselhos:
  1. Decidir bem o que financiar e o que não financiar. É melhor fazê-lo com compras únicas e não com demasiada frequência.
  2. Considere se precisa realmente do produto que vai financiar e em que condições.
  3. Escolher um período de pagamento que não exceda a vida útil do produto.
  4. Tente garantir que o montante a ser pago em cada mês não exceda 30% dos seus rendimentos.
  5. Compare bem as ofertas de financiamento e não fique com a primeira que lhe for oferecida.
  6. Calcule quanto pode pagar no final, somando os juros para ver se vale a pena tirar partido desta oferta.
LER TAMBÉM  Países produtores de petróleo
2

Sem comentários

Deixe o seu comentário