Devedor a Poupador

De Devedor a Poupador em 5 Passos

Devedor a PoupadorCom acesso a um crédito mais barato do que nunca, nós, consumidores, temos feito a festa. De electrodomésticos a carro novo, de laptops à casa própria, os preços nunca estiveram tão convidativos. Compramos como se não houvesse amanhã.
O problema é que o amanhã existe e já estamos colhendo seus frutos: nunca estivemos tão endividados. Esse é o lado amargo da moeda do crédito fácil, que surge sempre que esquecemos as seguintes palavrinhas mágicas: planeamento financeiro pessoal.

E agora?

Não adianta chorar pelo leite derramado. Se suas finanças já saíram do controle, não existe outro caminho: pare! De gastar, de se enganar e de adiar.
Estamos tão acostumados às parcelas, que acabamos achando que esse é o único jeito de conseguir as coisas. Outro erro que repetimos é achar que só tem dinheiro quem ganha muito dinheiro.
Confira a seguir cinco passos que, se você seguir a risca, vai entender por que ter dinheiro é coisa de gente inteligente e não necessariamente rica.

Renegocie as suas dívidas

A bola de neve do cartão de crédito e do cheque especial é um dos problemas mais crônicos dos consumidores. Nós perdemos o controle dessas dívidas por dois motivos principais:
  1. Gastamos mais do que ganhamos;
  2. Pagamos juros muito altos.
O primeiro passo é fazer um levantamento real de tudo o que você deve. Feito isso, ligue para cada um dos seus credores e pergunte o valor da sua dívida para quitá-la vista. Você vai se surpreender com o desconto que terá por conta do abatimento dos juros.
Com esses valores em mãos, você tem duas opções:
  1. Procurar uma opção de crédito com juros mais baixos (o consignado, por exemplo) e parcelas que caibam no bolso. Você substitui todas as dívidas caras por uma só mais barata.
  2. Negociar diretamente com cada um dos credores. Dever não é crime e estar disposto a pagar conta muitos pontos. Muitos bancos já possuem propostas prontas de renegociação, com juros menores e mais parcelas.

Organize o seu orçamento

Com as dívidas em dia, é hora de colocar a casa em ordem. Faça agora um levantamento de todas as suas contas básicas do mês: aluguel, alimentação, escola, transporte, etc. Não se esqueça de inserir nessa conta a parcela do empréstimo que você acabou de renegociar com os credores.
Feito isso, trace metas de gastos e comece a pagar tudo à vista. Tem dinheiro, compra. Não tem, não compra. Nessa etapa, a conversa com a família é extremamente importante para que todos tenham consciência da situação financeira em que vivem e possam contribuir cada um fazendo sua parte.

Construa uma reserva de emergência

Com a bola de neve controlada e gastando só o que você ganha o dinheiro vai durar até o final do mês. Não é milagre, é só fruto da sua persistência e determinação.
Aos poucos a situação vai melhorando e, conforme você for quitando suas dívidas, em aproveite que você estará acostumado a um estilo de vida mais de acordo com as suas finanças pessoais e coloque a meta de guardar 10% do seu salário por mês. Essa é a quantia mínima recomendada pelos consultores financeiros.
Se 10% for muito no começo, guarde o quanto puder. Mas tenha como sua primeira meta financeira elevar essa parcela. Essa poupança será fundamental para a construção da sua reserva de emergência que, como o próprio nome diz, servirá para os momentos de aperto.
O ideal é ter guardado na poupança de três a seis salários, de acordo com os especialistas. Afinal, imprevistos acontecem e temos que estar preparados. A diferença é que agora, em vez de ficar no cheque especial pagando juros, você terá um colchão para cobrir as despesas inesperadas.

Dê nomes aos seus investimentos

Com as dívidas sob controle, em breve, seu salário será só seu. Mas lembre que sua avó tinha muita razão quando dizia que quem guarda tem. E aqui vai uma dica: é muito mais fácil guardar dinheiro, quando você tem um objetivo certo para ele.
Uma vez construída sua reserva de emergência, você pode começar a fazer novos planos: como um telemóvel novo, um fim de semana na montanha ou até uma casa na praia, por que não? Compartilhe seus objetivos com a sua família para que eles virem uma meta conjunta. Comprem um mealheiro, colem um adesivo em forma de coqueiro e deixem-no à vista para lembrar que o investimento de vocês tem nome: “aquela viagem dos sonhos”. Pode ter certeza que todos vão pensar duas vezes antes de gastar qualquer moedinha.

Volte a gastar… mas só à vista!

O segredo do sucesso financeiro é saber equilibrar os planos para o amanhã com as oportunidades que temos hoje. Não é crime algum separar um dinheiro do orçamento para umas comprinhas, uma balada ou um jantar fora. Coloque o lazer em seu orçamento e aproveite a vida! Mas pagando à vista e, preferencialmente, com dinheiro! Nessa situação, pensamos várias vezes antes de gastar: será que eu preciso mesmo disso agora?
Boa sorte!
LER TAMBÉM  5 Dicas Para Quem Tem Entre 20 e 35 Anos
2

Sem comentários

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.