Como poupar dinheiro para comprar um imóvel

Como poupar dinheiro para comprar um imóvel

O sonho de ter a casa própria não só responde às decisões de investimento como também tem a ver com questões de imaginário cultural e também com uma sensação de conforto.
Alguns especialistas argumentam que comprar a própria casa é algo que, visto em pormenor, é financeiramente improdutivo porque gastamos mais dinheiro na compra do que poderíamos gastar se pagássemos uma renda mensal e o resto do dinheiro seria utilizado para fazer algum investimento.
No entanto, existem outros aspectos para além dos puramente económicos que têm um impacto direto na nossa qualidade de vida e, por conseguinte, na nossa produtividade e geração de rendimentos.
O sonho de possuir a nossa própria casa não só responde às decisões de investimento, mas também tem a ver com questões de imaginário cultural e também com uma sensação de conforto que nos permite assentar e, a partir daí, reorganizar a direcção das finanças pessoais.

Como poupar dinheiro para comprar um imóvelComo poupar dinheiro para comprar um imóvel

Há muitas maneiras de poupar para realizar o sonho de possuir a sua própria casa antes de chegar aos 40 anos. Mas muitos dos que procuram comprar a sua primeira casa subestimam a quantidade de dinheiro de que necessitarão para adquirir aquela casa tão desejada. Será um caminho longo e por vezes enfadonho. E não se trata apenas de poupar, trata-se de aprender a ser ordeiro e eficiente com o dinheiro.
Mas uma vez que quanto mais cedo começarmos a estruturar a nossa economia para atingir este objectivo, mais perto estaremos de o conseguir. Por tudo isso, hoje trago algumas dicas para atingir esse objectivo:

Arranjar um apartamento ou casa mais baratos

Assumindo que alguém está a viver numa casa ou apartamento, considerando a opção de se mudar para uma mais pequena ou para uma mais barata é algo que irá gerar poupanças mensais. Isto funciona particularmente bem se for solteiro ou viver com alguém mas não tiver filhos.
Ainda melhor seria viver com os seus pais durante um ano, claro que só se ajudar com as despesas domésticas e com a manutenção da sua própria comida e despesas extras. Não assumir a responsabilidade por essas coisas seria uma tal falta de responsabilidade que só prejudicará as finanças no futuro quando essas despesas tiverem de ser suportadas.

Não gastar os rendimentos extra

Qualquer rendimento extra, tal como um bónus da empresa onde trabalha ou um reembolso de impostos ou alguma outra soma inesperada de dinheiro deve ser poupado, por mais que se queira tratar a si próprio. Podemos investir esse dinheiro numa obrigação segura ou colocá-lo num depósito a prazo. A ideia não é investir esse dinheiro de forma arriscada para gerar maiores lucros, mas sim apostar num seguro para que o seu valor não se deprecie e possamos alcançar o nosso objectivo.

Trabalhar em part-time

O esforço pode ser considerável, mas o resultado vale a pena. Pode arranjar um emprego extra e colocar tudo o que lhe é pago num fundo de poupança doméstico.
Evidentemente, a melhor opção seria ser um freelancer com base numa habilidade profissional que já possui. Trata-se não só procurar formas de poupar, mas também formas de ganhar dinheiro.

Poupar em pequenas coisas

Não faz sentido reduzir as despesas de tal forma que a vida se torne um tormento aborrecido e estéril, mas se há coisas que se podem fazer sem elas, seria bom parar imediatamente de gastar dinheiro com elas.
O ideal é estabelecer objetivos curtos para poder cumpri-los e depois, se possível, renová-los. É muito mais difícil dizer que se vai deixar de tomar 2 chávenas de café com amigos ou sobremesa após o jantar durante um mês do que estabelecer esse objectivo durante um ano. Em vez de duas chávenas, faça-o apenas uma, mas não nenhuma. Sair com amigos depois do trabalho ou qualquer tipo de recreação é fundamental, porque desistir disso tornaria a nossa vida miserável e a casa por que ansiamos perderia todo o sentido.

Cortar nas grandes despesas

Mais uma vez, recordemos que isto é por algum tempo e não por toda a vida. Caminhar para o trabalho em vez de conduzir e depois no mesmo carro até ao ginásio para andar na passadeira é um desperdício de dinheiro tanto em combustível como em instalações de treino supérfluas nesta altura da vida de uma pessoa.
Contratar um plano de telemóvel mais barato, cortar no serviço de televisão por cabo. Ninguém o quer dizer em voz alta, mas a maioria das pessoas tem muitos lugares a que recorrer para reduzir ou eliminar despesas.

Incorporar hábitos saudáveis de finanças pessoais

Saber quanto gastamos todos os meses e em que é que o gastamos permitir-nos-á ser claros sobre onde podemos eliminar despesas desnecessárias e como reorganizar as nossas finanças, se necessário. Por exemplo, a criação de uma folha de cálculo Excel para acompanhar a nossa contabilidade é muito conveniente. Como se trata de uma folha de cálculo pessoal, todos devem fazê-la como é mais confortável, mas deve ser registada:
  1. Rendimentos e fontes de rendimento: Quer os rendimentos provenientes do emprego, de trabalhos freelance, dos juros ou dos lucros de investimentos que se tem e gera (como dissemos no ponto 2), os rendimentos devem ser devidamente classificados e registados mês a mês.
  2. Despesas: separadas em despesas fixas (as despesas que devem ser feitas todos os meses) e excepcionais (as despesas inesperadas que não fazem parte das despesas fixas).
É provável que estejamos constantemente a repensar se conseguir comprar uma casa é melhor do que o nosso conforto a curto prazo. A resposta está em cada um de nós, mas sem dúvida a partir do momento em que alguém considera a opção de comprar uma casa terá de deixar algumas coisas de lado para atingir o seu objectivo.
O que achou destes conselhos sobre como poupar dinheiro para comprar um imóvel? Tem mais dicas que também considere ser boa ideia fazer parte desta lista? Deixe-nos o seu comentário!
LER TAMBÉM  Poupe! Não se endivide!
1

Sem comentários

Deixe o seu comentário