4 Dicas para Poupar Dinheiro como Freelancer

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

A maioria dos artigos para freelancers foca-se em explicar como ganhar dinheiro. Mas há sempre o outro reverso da medalha; os freelancers também pode ter gastos inesperados. Por isso, hoje vou tentar explicar como poupar dinheiro sendo freelancer.

 

Evite as taxas: use o Portal das Finanças e a Segurança Social Online

É normal que precise de alterar a sua declaração de actividade, a sua morada fiscal ou que tenha que entregar declarações trimestrais. Mas, normalmente, todos estes processos têm um custo associado num balcão das finanças. A solução é usar o Portal das Finanças e a Segurança Social Online, onde pode fazer quase tudo a custo 0. Em alguns casos, pode precisar de um leitor de cartões (para o cartão de cidadão).

 

Diminua os gastos com o marketing: adira a plataformas reconhecidas

O marketing pode ocupar grande parte do orçamento de um freelancer. Por isso, a minha sugestão é juntar-se a plataformas já bem conhecidas, como é o caso da portuguesa Fixando ou, a nível internacional, do Upwork. Apesar de terem um custo associado (tem que pagar para conseguir enviar mais que um certo número de orçamentos), este custo de aquisição de cliente consegue ser muito baixo. Já para não falar que tem potenciais clientes novos todos os dias!

 

Escolha programas de facturação gratuitos

Emitir recibos-verdes só funciona para quem se limita a prestar serviços. Se também comercializa produtos, então terá que aderir a um programa de facturação. Felizmente, o Primavera (um dos softwares mais conhecidos) tem versões gratuitas para quem tem uma facturação até 30.000€ e certificados pela AT.

 

LER TAMBÉM  Conselhos práticos de poupança

Adquira um apartados dos CTT

Um apartado dos CTT pode não ser suficiente para domiciliar uma conta bancária, mas é o suficiente para incluir nos seus recibos e manter uma “morada profissional” para os seus clientes. Ao contrário da maioria das empresas que oferecem “domiciliação fiscal” (normalmente ronda os 30-35€ por mês), um apartado nos CTT custa apenas 50€ no primeiro ano e 30€ nos subsequentes. Veja se esta solução é adequada para o seu negócio!

Para além destas dicas, pode sempre consultar um contabilista em Lisboa, no Porto, ou na em outra cidade, que certamente lhe irá também conseguir dar outras dicas ou esclarecer questões.

Deixe o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.