10 conselhos para aumentar as suas poupanças

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

conselhos para aumentar as suas poupançasA poupança é a chave para uma finanças pessoais saudáveis e um hábito que de deve seguir em todas as etapas da vida. Neste sentido, vamos dar a conhecer 10 conselhos para que que atinja a liberdade financeira.

 

Poupe sempre que puder

Não deixe para depois para começar a poupar. Sempre que receber algum tipo de rendimento, guarde parte dele. Deverá criar uma rotina e elaborar um plano financeiro a longo prazo, não menos de um ano, tentando cumprir com aquilo a que se propôs. Imagine que pouparia 10,00€ por dia, isto seria 3.650,00€ por ano e 18.250,00€ em apenas cinco anos. Agora imagine outros valores e a render com juros compostos…

 

Não gaste mais do que ganha

Não peça empréstimos para gastos fora do seu orçamento. Se gastar mais do que ganha está a criar divida e por essa divida irá pagar juros. Tente não manter um estilo de vida superior ao que pode custear pois apenas irá fazer crescer as suas dividas incessantemente. Aprenda a ser feliz com o que tem. Isto não significa que deve deixar de lado as suas ambições, mas apenas que não se deve endividar desnecessariamente para atingir as suas metas.

 

Faça registos dos seus gastos

Além de fazer um orçamento e de o cumprir à letra, deve fazer também um registo detalhado dos gastos que faz diariamente. Isto poderá ajudá-lo a diminuir e eliminar alguns gastos.

 

Diminua os seus gastos

Diminuir os gastos consiste basicamente em mudar a forma como gasta o seu dinheiro e a não se deixar levar por impulsos. Por exemplo, nunca pague com cartão de crédito alguma coisa que está em saldos se sabe que não tem dinheiro.

 

Não se deixe governar pelo cartão de crédito

Seja sempre o dono do cartão de crédito. Lembre-se que este não é uma “extensão” dos seus rendimentos, mas um gasto mensal que terá de enfrentar no final do mês. Se o usa para os seus gastos habituais poderá vir a ter problemas com o seu orçamento mensal.

 

Administre as suas dividas

Cair em mora é prejudicial para o seu histórico de crédito e para a sua saúde mental. Se sente que o dinheiro não chega para pagar todas as suas dividas é hora de reflectir e actuar. Faça uma lista de quanto deve e a quem deve dinheiro. Depois faça um plano para reestruturar e administrar o total dessas dividas.

 

Defina as suas prioridades

No momento de fazer o seu plano financeiro, deve reflectir sobre quais são as coisas que precisa para construir o seu futuro e melhorar a sua qualidade de vida. Depois disto será mais fácil saber onde pode investir o seu dinheiro.

 

Defina metas reais

Sonhar não custa nada, só que os sonhos nunca vão encher os seus bolsos. Se não fizer um orçamento familiar com metas claras e reais será mais complicado conseguir cumpri-lo.

As metas devem ser sempre claras e reais. Deve ter sempre presente em quanto tempo pensa alcançar cada meta, quanto dinheiro deve juntar para as cumprir e também muito importante, quais são as suas prioridades e gastos fixos.

 

Espere o inesperado

Todos devem ter um fundo de emergência, de preferência que tenha o equivalente a pelo menos 6 meses de gastos.

 

Inclua no orçamento os gastos com os seus familiares

Se tem a seu cargo uma ou mais pessoas, sejam filhos, pais ou outros familiares, deve incluir todos os gastos dentro do seu orçamento. Ao fazê-lo terá consciência das entradas e gastos com eles, evitando que se tornem num encargo e podendo desfrutar plenamente da sua companhia.

Deixe o seu comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...