Os paraísos fiscais escondem 8% da riqueza mundial

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

paraísos fiscaisA desigualdade é um dos maiores problemas que enfrentamos actualmente. Mas paradoxalmente a desigualdade alimenta-se das crises e os paraísos fiscais são um dos maiores problemas no agravamento das desigualdades.

Com efeito, os ricos tornam-se cada vez mais ricos quando a economia enfrenta tempos de crise e, ao mesmo tempo, os pobres ficam ainda mais pobres. Isto é quase uma regra económica.

E, dependendo da forma como os governos gerem as crises, também pode acabar por afectar a classe média e ser relativamente prejudicial para toda a economia em geral.

No entanto, quando se fala de riqueza, não podemos esquecer o papel desempenhado pelos paraísos fiscais.

Gabriel Zucman, um jovem economista francês com uma trajectória académica brilhante tem uma opinião bem definida sobre este tema. O problema da desigualdade hoje em dia não irá ficar resolvida rapidamente se continuarmos a seguir pelo mesmo caminho, no que diz respeito a questões políticas e económicas.

Cada vez mais as desigualdades serão maiores e, em parte, o papel desempenhado pelos paraísos fiscais é fundamental para manter esse sistema no que diz respeito aos mais ricos.

E o pior é, segundo Zucman, o facto da classe política ter plena consciência deste facto, permitindo-o e até mesmo chegando a admiti-lo e incentivando-o através de determinadas decisões governamentais.

Segundo os seus cálculos, 8% da riqueza mundial encontra-se nesses paraísos fiscais. Em muitos casos, esses paraísos são países muito pequenos ou pobres que encontraram nesse sistema fiscal uma forma de criar riqueza para si mesmos.

No entanto, esses 8% da riqueza concentrada nas mãos de poucos, impede que possa haver uma distribuição equitativa da mesma. E se o sistema não mudar, com a convulsão económica mundial que vivemos, não irá demorar a aumentar ainda mais essa percentagem.

E se os mais ricos continuarem a acumular mais riqueza, as pessoas das classes média e baixa terão cada vez menos riqueza disponível e a desigualdade irá ser cada vez mais visível.

O que acha da opinião deste economista? Acha que realmente está a ser feita alguma coisa para limitar os paraísos fiscais e as fortunas ali guardadas? Haverá alguma forma de tributar esta riqueza em favor da sociedade em geral?

Deixe o seu comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...