Vale a pena contratar um seguro contra todos os riscos?

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

seguro automóvelO seguro automóvel é um gasto inevitável. Se tem um carro ou uma moto e quer andar com ele, tem obrigatoriamente de ter um seguro. É a lei. O que a lei também estabelece é um nível de mínimo de seguro e a partir de daí deixa que seja a pessoa a decidir o nível de cobertura que quer assumir. Isto é o que faz com que muitas pessoas se questionem se vale a pena fazer um seguro contra todos os riscos? E com franquia? Que coberturas são realmente necessárias?

A verdade é que nem todos precisamos de um seguro contra todos os riscos, nem com todas as coberturas. Cada condutor tem as suas próprias circunstâncias e estas são as que definem o tipo de apólice de seguro que deve ser contratado.

 

Dois tipos de seguros

Antes de vermos que tipo de seguro devemos ter, vamos ver quais os tipos de seguro automóvel que existem e quais as coberturas de cada um.

  • Seguro automóvel de responsabilidade civil. É o seguro mínimo por lei. É absolutamente necessário para conduzir nas estradas portuguesas e garante o pagamento das indemnizações por danos corporais e materiais causados a terceiros e às pessoas transportadas, com excepção do condutor do carro. Está pensado para cobrir terceiros, não o condutor.
  • Seguro contra todos os riscos ou danos próprios. É o seguro mais completo. Inclui as garantias e coberturas anteriores e junta ainda os danos que o carro possa vir a sofrer num acidente onde a pessoa possa ser culpada. É um seguro mais caro e por isso as seguradoras usam o que é conhecido como franquia, um valor da indemnização que é da responsabilidade do segurado (não se preocupe, mais à frente vamos explicar melhor em que consiste).

Em resumo, a diferença do seguro contra todos os riscos é que a seguradora também irá pagar uma indemnização pelos danos sofridos pelo seu carro, quer tenha você sido ou não culpado pelo sinistro e haja ou não outro condutor envolvido. Agora a questão é: Será boa ideia contratar um seguro contra todos os riscos com franquia? Vamos ver!

seguro contra todos os riscos

Compensa um seguro automóvel com franquia?

Ninguém gosta de pagar mais. E menos ainda para algo que a priori não pensa utilizar. No entanto, todos querem segurança e é aqui que está o negócio das seguradoras. Como é lógico, um seguro contra todos os riscos será sempre mais caro do que um de responsabilidade civil. É precisamente por isso que nos questionamos se vale a pena contratar este seguro.

Há três questões fundamentais a que deve responder para saber qual é o seguro mais adequado para si.

 

 

A idade do automóvel

Este é o elemento mais importante. De uma forma geral, quanto mais velho for o veículo, menos interessará ter um seguro contra todos os riscos. Geralmente um seguro contra todos os riscos apenas compensará até ao sexto ano de vida do carro. A partir dessa altura será mais recomendável ter um seguro de responsabilidade civil.

O motivo para esta recomendação tem a ver com a forma como as seguradoras indemnizam em caso de acidente os danos sofridos pelo carro. E é no caso de sinistro onde há perda total do carro que a seguradora não irá pagar o que vale o carro no mercado, mas sim o valor que está na apólice, que distingue entre o valor de um carro novo (o que custaria um carro novo), o valor de mercado e o valor venal (existem algumas tabelas oficiais). O normal é que a indemnização varie da seguinte forma:

  • Durante os dois primeiros anos de antiguidade do carro receberá o valor de um carro novo. O seguro irá pagar o que custaria um carro novo no momento do acidente.
  • A partir do terceiro ano o valor de mercado ou uma percentagem do valor do mesmo.
  • A partir do quinto ano o valor venal do carro.

Estes valores são aplicados para qualquer acidente. Para que possa entender melhor, se tiver um carro com 10 anos que para a sua seguradora vale 2.500 euros e tiver um acidente cuja reparação é de 4.000 euros (por exemplo uma troca de peças que é preciso trazer do estrangeiro, mais o trabalho de chapa e pintura), a seguradora irá declarar o carro como perda total e você será indemnizado com 2.500 euros.

O objectivo de um seguro contra todos os riscos é que reparem o carro, mas se a reparação exceder o valor do mesmo, este seguro deixa de ser interessante.

seguro de responsabilidade civil

O seu perfil como segurado

Este é um perfil muito mais subjectivo do que se estivesse a investir o seu dinheiro. Por outras palavras, deve definir qual o valor mínimo pelo qual quer estar segurado.

Se é daquelas pessoas que, seja por trabalho ou por uma questão estética, precisa que o veículo esteja sempre perfeito e impecável, então o seguro contra todos os riscos é para si, porque tem a garantia que o seu carro vai ser reparado. Mas há uma coisa que tem de saber: quanto mais usar o seguro, mais caro lhe irá ficar todos os anos.

Pensa bem como quer ter o carro e o que lhe custaria deixá-lo algum tempo com um risco ou com algum toque.

 

O uso que é dado ao carro

As seguradoras trabalham com probabilidades estatísticas e também você devia fazer o mesmo. Se anda de carro todos os dias é mais fácil ter um acidente do que apenas andando aos fins-de-semana, por muito muito bom condutor que seja ou que esteja acostumado a conduzir.

Neste sentido, quanto mais usar o carro mais lhe poderá compensar ter um seguro contra todos os riscos. Isso não significa que deva usar esta cobertura perante qualquer coisa por mínima que seja. Provavelmente só deverá compensar se tiver tido uma pancada mais forte ou se a transmissão ficou estragada, ou seja apenas quando o valor das reparações é elevado.

 

A questão da franquia no seguro contra todos os riscos

Uma franquia é uma espécie de co-pagamento no seguro do carro. É um valor fixo que irá pagar pela reparação do caso em caso de sinistro. Por exemplo, com uma franquia de 200 euros, você terá de pagar os primeiros 200 euros em cada reparação. No caso de a indemnização ser de 500 euros, você terá de pagar 200 e a seguradora os outros 300.

A principal vantagem da franquia é que permite baixar bastante o preço do seguro contra todos os riscos.

Deixe o seu comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...