Conselhos para não ficar sem dinheiro na reforma (se tiver menos de 35 anos também deve ler)

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

reformaFicar sem dinheiro na reforma é um dos maiores medos dos investidores e uma das maiores preocupações de todas as pessoas de uma forma geral. Podemos encontrar imensa bibliografia a respeito deste grave problema económico que pode acontecer na vida de qualquer um, pelo que hoje vamos ver alguns conselhos simples para minimizar ou evitar este problema.

No entanto, a questão que fica é: quanto dinheiro irei precisar para poder desfrutar calmamente da minha reforma? A resposta não é simples, mas para começar é preciso começar a planear o nosso futuro através de um plano financeiro pessoal.

Vamos então ver quais são os conselhos que deveremos ter em conta para prevenir um dos problemas com mais impacto na vida das pessoas durante a reforma. A falta de dinheiro.

 

  • Defina hoje mesmo o seu plano financeiro pessoal (contrate um profissional, se for preciso). E se tiver menos de trinta e cinco anos então agora é a altura ideal porque tem o factor tempo a seu favor.
  • Tenha atenção ao historial médico da sua família porque é relevante. Não quero com isto dizer que se o seu pai teve a infelicidade de falecer aos 66 anos, que o mesmo lhe pode acontecer a si. Claro que não. No entanto, deve tentar controlar esta variável o melhor possível, e mais ainda depois de ter passado os 40. Deve submeter-se a controles médicos de rotina. Um seguro médico é também essencial e deve ser considerado no seu orçamento familiar. E tudo porque é preciso conhecer e planear o horizonte temporal e a sua esperança de vida.
  • Os gastos e os rendimentos. Por muito que não queiramos, estas duas variáveis são essenciais e têm uma grande importância na nossa vida. A primeira coisa que o aconselho a fazer é decifrar quais são os seus sonhos de vida, a sua vida ideal e que tente transformar isso em números. É preciso definir todos os gastos fixos, de lazer, de saúde, etc. E quanto mais próximos estivermos da nossa vida ideal mais ajustados e certeiros serão os números. Se definirmos um plano financeiro pessoal sem ter em conta o que queremos de verdade (ter dinheiro para os gastos do dia a dia ou para concretizar os nossos sonhos), então isso é meio caminho andado para o fracasso e para ficarmos sem dinheiro na nossa reforma. Muito cuidado com este ponto.
  • Espere o inesperado. Por muito empenho e esforço que fizer para controlar os números e ter um património futuro bem planeado, a verdade é que a vida pode-nos trocar as voltas, pois pode haver sempre problemas de saúde, falta de trabalho, rentabilidade dos investimentos abaixo do esperado, crises económicas, familiares, etc. Por tudo isso, devemos ir revendo o nosso plano financeiro pessoal, alterando-o e ajustando-o em função das necessidades do momento. Desta forma, as correcções irão trabalhar a nosso favor e as possibilidades de ficar sem dinheiro na reforma serão menores com tendência para o desaparecimento desta possibilidade.

dinheiro na reforma

Você até pode ser jovem e este assunto ainda não lhe interessar muito, mas digo-lhe: não cometa o mesmo erro que a maioria das pessoas com a sua idade. Se ainda não atingiu os trinta e cinco anos, ainda tem diante de si muitas possibilidades. Comece por destinar uma parte do seu orçamento familiar para investimentos a longo prazo com o objectivo de ter um melhor património quando se retirar da vida activa. Agora é a altura ideal.

Mas se a sua idade supera os trinta e cinco anos, há sempre um plano financeiro pessoal ideal para cada pessoa.

Ficar sem dinheiro na reforma é algo que ninguém quer. No entanto, e como pode ver, tudo passa por um bom planeamento do nosso futuro e de ir adequando e actualizando a nossa carteira de activos.

 

P.S. Se já está reformado e a viver os seus sonhos (uma vida ideal), tenho a certeza que continua a ser activo e a juntar mais ovos à sua cesta de património. É isso uma boa gestão do dinheiro e é assim que entendo esta etapa da vida.

Deixe o seu comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.